4
Set

SEGUNDA-FEIRA,2017


Questão de Saber viver – viver bem!
por Jefferson Severino



 

Passando os olhos pelas redes sociais observo dezenas, centenas de posts, frases, figuras com dizeres positivos. A cada manhã recebemos inúmeros bom dia, a noite a mesma coisa, inúmeros desejos de boa noite. Todos recebemos e enviamos isso, graças a Deus, pois sempre tem alguém pensando na gente.  Mas por outro lado, em um olhar mais profundo, sintonizando com a mente de quem envia, nós acabamos por perceber, todos percebemos, que são palavras, palavras, e mais palavras. Meras letrinhas soltadas e não vivenciadas. 

 

A experiência humana está cheia de amor, paixão, criatividade, alegria, conexão, compaixão, gargalhadas ... Mas nós, como seres humanos só aprendemos a evoluir e crescer através dos altos e baixos da vida. Portanto a nossa experiência também inclui muitas situações difíceis que nos completam. Dizemos verdades, mentiras, acreditados, bloqueamos, somos bloqueados, numa infantilidade sem fim, como se tudo isso resolvesse nossa existência. Como seria bom se tudo fosse simples assim. Simplesmente fugindo, bloqueando...Pronto! Está resolvido! Todavia a chave é não deixar que situações difíceis da vida tire o melhor de nós. 

 

Pensemos sobre as maiorias das situações angustiantes que nós já suportamos em nossa vida. Se o fizermos, provavelmente traremos à tona alguns sentimentos muito desconfortáveis. E as memórias associadas podem gerar ansiedade, raiva ou tristeza, e, assim, podem continuar a afetar tranquilamente a qualidade da nossa vida. Esta é uma situação de quase todos nós. 

Agora imagine como nós nos sentiríamos se superássemos esses sentimentos. Sim é possível. Estamos supervalorizando problemas e desvalorizando soluções demasiadamente simples, isto é, deixar para trás, seguir em frente, levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima como diz a música.

 

Quando uma situação difícil desperta essa ansiedade, raiva, tristeza, e assim por diante, isso significa que nós estamos focando unicamente nela, não estamos aprendendo a lição. É complicado perceber qual a lição logo no início, mas nada é por acaso, afinal de contas estamos matriculados neste planeta para errar, aprender, errar e aprender novamente. Esse foco no negativo não nos ajuda de jeito algum, muito pelo contrário, as vezes nem rezar resolve. Se ficamos vivendo e remoendo o passado, esquecemos do presente e sequer preparamos um futuro promissor. 

 

Embora possa ser impossível abandonar-se completamente e parar de fantasiar sobre todos os nossos problemas, pois sempre teremos alguns a nos incomodar, nós simplesmente podemos fazer uma escolha consciente para deixá-lo ir. Claro, em um mundo ideal nossa família seria ideal, nosso trabalho seria ideal, nossos amigos perfeitos, viveríamos um sonho. Infelizmente isso ainda não é a nossa realidade porque ainda nos prendemos a conceitos, a preconceitos e a conceitos pré-concebidos. O problema está em cada um de nós. Tirar o velho e colocar o novo. Deixar as lamentações de lado significa abraçar a realidade, o novo, e entender que nós cometemos erros sem fim. Isso é incontestável. Agora ficar vivendo um problema é tolice.

 

A paz de espírito se conquista permitindo-se a ser perfeitamente humano, em sermos o que somos e não aparentarmos, em desejarmos ser o que não somos. É viver o real, o hoje, é libertar-se dessas amarras pois o que sobrará será apenas nós. Sobrará aquilo que somos.

 

Felicidade nem sempre nos faz gratos, mas a gratidão sempre ajuda-nos a sorrir. Alguns podem dizer que é um clichê, mas não é. Gratidão é fundamental para o nosso bom viver. Gratos por tudo. E a felicidade é simplesmente a experiência sagrada de viver com um coração verdadeiramente grato. 

Expressar gratidão é tão simples, certo? Como poderia fazer essa grande diferença? Sim, ser grato parece bastante simples, mas um estado de espírito grato é incrivelmente difícil de manter quando a vida nos desaponta, quando estamos nos sentindo para baixo e decepcionados, é exatamente quando uma dose de gratidão é mais poderosa. 

 

Então, qual é a melhor solução? 

 

Comecemos agradecendo por estarmos vivos, reencarnados, vivenciando cada momento. Podemos não apreciar a vida que estamos levando simplesmente porque não estamos PRESTANDO A DEVIDA ATENÇÃO. E a verdade é, nós fazemos nossas situações presentes muito piores do que são. No momento presente, a nossa situação real raramente é tão complicada como nós acreditamos que é. 

 

Quando a nossa mente voa para o passado ou especula sobre o futuro, temos de fazer o nosso melhor para acordamos e nos reorientar conscientemente para o nosso presente. Uma vez que estamos de volta, a chave é aceitar o momento como ele é. A chave é sermos gratos. Isso requer prática, é claro, porque a gratidão tende a escapar de nós quando nos sentimos para baixo. Mas este é o mundo real, não um mundo ideal. E a nossa realidade contém sempre uma fresta de esperança, de beleza, de espetacular se nós realmente optarmos por vê-la.  

 

Portando guardemos o passado como experiência e abramos o nosso presente para o futuro.

Tenhamos nossos momentos que somados formam a felicidade. Permitamo-nos ter nossos momentos felizes. 

 

O curitibano Jefferson Severino é assessor de imprensa da ABAV-SC, jornalista, fotógrafo, Colunista da Revista Evidência e da Revista 100 Fronteiras